Devo mesmo me preocupar com o meu português?

Quem consegue formular frases e ideias corretamente estruturadas costuma ter pensamento crítico, fundamental para analisar problemas e propor soluções.

Por Timóteo Luis 21/08/2018 - 16:28 hs

É muito comum encontrarmos processos seletivos e entrevistas de emprego onde são empregados testes de lógica e provas de matemática que avaliam e até eliminam candidatos do processo, mas os pesos, prioridades e abordagens desses testes têm passado por mudanças.

A informalidade da comunicação na Internet, Facebook, Twitter, Instagram, SMS, WhatsApp e outros canais se tornou um grande obstáculo à comunicação corporativa. Vícios de linguagem, abreviaturas, dificuldades na pontuação, acentuação e outros erros são os maiores problemas das redações. Empregados com dificuldade de se comunicar, e-mails com erros bárbaros de português e dificuldade de analisar e solucionar problemas são apenas alguns danos causados pelo descaso com a gramática dentro das organizações.

A boa gramática é fundamental para transmitir ideias com clareza e precisão, e é por isso que o assunto tem sido priorizado em concursos públicos e processos seletivos das empresas. Testes de português, interpretação de texto, redação e outras ferramentas têm sido implantadas nas etapas dos processos de recrutamento e seleção. A avaliação costuma ser feita, mesmo quando o candidato se destaca na entrevista presencial/comportamental. Os candidatos que, por sua vez, se sobressaem nesse quesito “Língua Portuguesa”, destacam-se no processo, demonstrando capacidade de interpretação, formalidade, atenção a detalhes, além de outras competências fundamentais para se avultar no ambiente de trabalho.

Pesquisas em redes sociais, como o Linkedin, mostram que que a preocupação com a escrita demonstra atenção à detalhes, credibilidade e profissionalismo. Aqueles que conseguem formular frases e ideias corretamente estruturadas costumam ter pensamento crítico, fundamental para analisar problemas e propor soluções e alternativas.

A maior e mais importante parte do estudo e aperfeiçoamento da gramática e habilidades de comunicação de um indivíduo é durante a sua formação escolar. O grande problema é a falta de preocupação das pessoas com o desenvolvimento desses pontos, o que, futuramente, pode ser eliminatório numa entrevista de emprego, ou até mesmo nos tão sonhados concursos públicos.

O que fazer se já estou no mercado de trabalho, mas não tenho uma boa gramática? Manuais de redação, livros de gramática, cursos online e o simples hábito da leitura podem ser excelentes técnicas para começar a desenvolver habilidades textuais e gramaticais.

A preocupação com o português não é só das pessoas que procuram emprego ou estão prestando concursos. A competência da comunicação corporativa eficaz já é característica determinante para promoções e novas oportunidades de carreira dentro das empresas. As organizações precisam de líderes que saibam se comunicar e prezam pela boa escrita.

O mercado de trabalho, os processos seletivos e suas exigências estão se aprimorando; as necessidades das empresas, suas competências fundamentais e prioridades também. Não somente a habilidade com números e raciocínio lógico devem ser levados em conta na hora de se preparar, mas o cuidado na escrita e a preocupação com a gramática são fatores que devem ser trabalhados para os candidatos que pretendam se sobressair no mercado de trabalho, seja conquistando novas posições ou conseguindo melhores oportunidades de emprego.