Desembargador manda soltar empresário detido na Operação Cash Delivery

Carlos Alberto é um dos cinco investigados sobre supostos repasses de R$ 13 milhões em propina da Odebrecht às campanhas de Marconi

Por Redação 05/10/2018 - 14:26 hs
Foto: Sílvio Túlio

O empresário Carlos Alberto Pacheco Júnior, preso na Operação Cash Delivery, conseguiu habeas corpus do desembargador federal Olindo Menezes. Carlos Alberto é um dos cinco investigados detidos no último dia 28, sobre supostos repasses de R$ 13 milhões em propina da Odebrecht para financiar as campanhas do ex-governador e candidato ao Senado, Marconi Perillo (PSDB) ao Governo de Goiás, em 2010 e 2014.

Segundo o MPF-GO, os indícios apontam que o ex-governador era o chefe do grupo formado pelo presidente licenciado da Agência Goiana de Obras (Agetop) Jayme Rincón; o policial militar e motorista de Jayme, Márcio Garcia de Moura; o filho do presidente licenciado da Agetop, Rodrigo Godoi Rincón; o advogado Pablo Rogério Oliveira, além do empresário Carlos Alberto Pacheco Júnior.

Neste início de semana, o desembargador Kassio Marques, da Justiça Federal, negou habeas corpus para o presidente licenciado da Agetop, Jayme Rincón, ressaltando que inicialmente somente a ilegalidade ou o abuso de poder exercidos sobre a liberdade de locomoção autorizam a concessão de habeas corpus.

O mesmo foi decidido para o filho de Rincón, o engenheiro civil Rodrigo Rincón, além do empresário Carlos Alberto Pacheco. Porém, no texto do desembargador, afirmou: "Contudo, a prisão temporária, por 5 dias, foi deferida".